"SEMPRE IMAGINEI QUE O PARAÍSO FOSSE UMA ESPÉCIE DE LIVRARIA".
(Jorge Luís Borges)

domingo, 18 de julho de 2010

TRILOGIA MILLENIUM

Um dos melhores que li nas últimas duas décadas.
Comprei por acaso, sem muita pretensão e, ainda sem qualquer pretensão, naqueles dias em que não se tem nada prá fazer, resolvi pegar o primeiro. Em 04 dias tinha lido os 3 volumes. É aquele tipo de livro que não se consegue sair da história. O enredo envolvente e inteligente, prende do começo ao fim.

A trama gira em torno de Mikael Blomkvist,  jornalista investigativo, editor da revista Millenium (que dá o título à série), e autor de reportagens bombásticas sobre crimes do mercado financeiro, corrupção e violência envovlendo as altas rodas sociais e políticas da Suécia; e  Lisbeth Salander, hacker magricela, tatuada e cheia de piercings, delinquente,  rebelde e anti-social, mas inteligente, astuciosa e, surpreendentemente, a mais doce e corajosa  heroína ao avesso das últimas décadas. Juntos, vão se envolver no universo da corrupção, da violência sexual contra as mulheres, da invasão de privacidade ao abuso de poder de uma maneira geral.

O primeiro livro da série - OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES, narra a história de Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial que, em 1966, some sem deixar vestígios. Quarenta anos depois, seu avô, Henrik Vanger, o patriarca do clã, convencido de que ela foi assassinada, contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular, mas as inquirições de Mikael não são bem-vindas pela família Vanger. Muitos querem vê-lo pelas costas. Ou mesmo morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois... até um momento presente, desconfortavelmente presente.

No segundo volume - A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGOo tutor de Lisbeth foi morto a tiros. Na mesma noite, outras duas pessoas também foram assassinadas: um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. Na arma usada nos crimes foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth que passa a ser procurada por triplo homicídio. A moça desaparece e Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, porque se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados.

O terceiro e último livro - A RAINHA DO CASTELO DE ARLisbeth Salander se recupera, num hospital, de ferimentos que quase lhe tiraram a vida, enquanto Mikael Blomkvist procura conduzir uma investigação paralela que prove a inocência de sua amiga, acusada de vários crimes. Mas a jovem não fica parada, e muito mais do que uma chance para defender-se, ela quer uma oportunidade para dar o troco. E agora conta com excelentes aliados. Além de Mikael, no mesmo front estão Annika Giannini, advogada especializada em defender mulheres vítimas de violência, e o inspetor Jan Bublanski, que segue sua própria linha investigativa, na contramão da promotoria. Com a ajuda deles, Lisbeth está muito perto de desmantelar um plano sórdido que durante anos se articulou nos subterrâneos do Estado sueco, um complô em cujo centro está um perigoso espião russo que ela já tentou matar. Duas vezes.



Para saber mais: Trilogia Millenium.



O que a imprensa vem falando:

“O problema com Larsson é que, se a gente se aventura e entra na história, está perdido: não tem mais como largar o livro. Talvez seja porque os protagonistas são animados por uma paixão que é muito parecida com a que motiva a curiosidade (grande ou pequena) de todos nós: os dois, o jornalista bem-sucedido e a adorável jovem hacker (punk de corpo e espírito), são indivíduos sem família (ou quase), decididos a desvendar, justamente, um segredo de família.” 
— Contardo Calligaris

“Recomendo ao leitor se fechar durante um fim de semana, munido de litros de café e alguns suprimentos, para se deliciar com a trilogia Millennium.”
— 
Rolling Stone






“O surgimento de mais um grande escritor sueco de mistério é motivo de celebração. O romance oferece uma combinação irresistível de jornalismo investigativo, caçada high-tech e drama psicossexual. É uma pena que só tenhamos três livros para ver Lisbeth Salander em ação!”
— 
Booklist
“Larsson criou dois esplêndidos protagonistas. Ficamos completamente rendidos a eles. A trama é impecável. Estamos no território do romance policial inglês clássico, mas com uma nota muito mais sombria e sangrenta.”
— 
The Independent






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...